Cresce participação de micro e pequenas em compras da União


Quase metade dos R$ 16,5 bi contratados via pregão eletrônico vieram de fornecedores desse porte
Da Amcham de Porto Alegre

A fatia de micro e pequenas empresas (MPEs) nas compras governamentais via pregão eletrônico saltou de 10% em 2006 para 48% em 2007, revelou o secretário de Logística e Tecnologia da Informação do Governo Federal, Rogério Santanna, nesta quinta-feira (28/02) na Amcham-Porto Alegre (Câmara Americana de Comércio).

“Esse crescimento deve-se à Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas, aprovada e regulamentada no ano passado”, explicou Santanna, que participou do comitê de Tecnologia em Negócios.

Em 2007, a União contratou por meio de pregão eletrônico R$ 16,5 bilhões, dos quais R$ 8 bilhões vieram de MPEs. Ao todo, o Executivo Federal comprou R$ 34 bilhões, incluindo todas as modalidades, de licitação convencional a pregão eletrônico. A participação das micro e pequenas nesse total foi de 25%.

Em setembro de 2007, um decreto presidencial regulamentou o tratamento diferenciado e simplificado às MPEs nas contratações da administração pública federal. Entre suas principais definições está a determinação para que os órgãos públicos federais realizem licitações exclusivas para as empresas desse porte nas contratações com valor de até R$ 80 mil. A medida busca tornar viável a ocupação de espaços no mercado dominado por grandes fornecedores.

As micro e pequenas respondem por 20% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro e são responsáveis por 67% dos empregos formais gerados no País.

O governo compra correntemente cerca de 52 mil itens de produtos e 2,5 mil de serviços. O número de fornecedores chega a 274 mil, quase a metade do segmento de micro e pequenos. As aquisições mais comuns da União são materiais médicos e hospitalares, produtos de subsistência e computadores, além de produtos de informática como software.

Comentário do Direito & Gestão - Vale a pena voltar os olhos para as licitações dos governos. Portas foram abertas com a Lei Geral da MPE e hoje há muitas facilidades para que as pequenas empresas abocanhem parte desse mercado bilionário. A grande premissa dessa ação é o "uso do poder de compra do estado". A grande meta não será comprar mais barato e sim comprar melhor, com reflexos para o desenvolvimento local, geração de empregos e incremento da competitividade e da inovação nos pequenos negócios. Quem quiser saber mais sobre o assunto pode assistir às palestras do congresso internacional "Compras Governamentais e as Micro e Pequenas Empresas -Lei Complementar nº 123/2006". Os melhores juristas do país e convidados internacionais discutem o tema com brilhantismo. As palestras em vídeo estão disponíveis para visualização AQUI.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como colocar seu produto nas prateleiras dos grandes varejistas

Planilhas gratuitas para auxiliar uma boa gestão financeira

Planilhas gratuitas para auxiliar uma boa gestão financeira