MEI - Micro Empreendedor Individual


Está em tramitação no Congresso Nacional (e com grandes chances de aprovação, haja vista que já foi acordado entre União, estados e municípios) o PLP 126/07, que faz uma série de ajustes na Lei Geral da MPE (LC 123/06), ampliando seu espectro de benefícios. Eesse projeto de lei cria o Micro Empreendedor Individual/MEI, nova figura jurídica que promete revolucionar o ambiente dos pequenos negócios no país.


O MEI é aquele empresário individual que aufere receita bruta anual não superior a R$ 36.000,00. Ele deverá preencher os requisitos de opção pelo Simples Nacional e será isento de PIS, COFINS, IPI, ICMS, IRPJ, CSLL ficando obrigado a recolher apenas R$ 50,00 fixos por mês, a título de ÎNSS. No caso de prestador de serviços há um adicional de R$ 30,00. Já há planos de que essa cobrança seja feita de forma muito simples, até mesmo por meio de contas de luz e água.


A própria Lei Geral da MPE já dispensava o empresário individual desse porte de emitir notas fiscais e de fazer contabilidade. Além disso, a contribuição previdenciária do titular foi reduzida de 20% para 11% sobre um salário mínimo (lembrando que essa reduçao é opcional e, caso seja escolhida, impede o titular de se aposentar por tempo contribuição.).


Com pequenos ajustes nos procedimentos para a abertura de empresas, efetivamente, teremos condições de formalizar um enorme contingente dos 10 milhões de negócios informais existentes hoje no país.


Adicionar aos Favoritos BlogBlogs Adicionar esta notícia no Linkk Add to Technorati Favorites

Comentários

JOÃO disse…
Qualquer negócio pode ser MEI – Microempreendedo Individual?


O que é o MEI – Microempreendedor Individual?
É a nova forma de legalizar e formalizar o Microempreendedor Individual. O MEI foi criado pela Lei Complementar Federal n° 128/08 e entrará em vigor no dia 1° de julho de 2009.


O que o Microempreendedor Individual deve fazer para se cadastrar ao MEI?
Procurar um contador e demonstrar seu interesse em se legalizar, fornecer o número da sua Carteira de Identidade e do CPF e o seu endereço residencial. Deve informar, ainda, o endereço do local onde trabalha ou pretende trabalhar e a atividade que vai exercer. O MEI será registrado na Junta Comercial, terá um número no CNPJ fornecido pela Secretaria da Receita Federal do Brasil e um Alvará da Prefeitura. Se a atividade for comercial ou industrial, também terá um registro na Secretaria da Receita Estadual.


Qual a atividade que pode ser registrada como MEI?
Quase todas as atividades elementares, como pipoqueiros, eletricistas, costureiras, verdureiros, barbeiros, engraxates, barracas de churrasquinhos, camelôs e outros. O faturamento é o primeiro fator limitante para o registro, já que esse registro é para negócios que tenham faturamento igual ou inferior a 36 mil reais anuais, o que dá uma média de faturamento de 3 mil reais por mês.


O Microempreendedor Individual - MEI tem direito à Previdência Social? Qual o valor que será pago por mês?
Sim, o MEI tem direito à Previdência Social. Para isso, o Microempreendedor Individual pagará mensalmente 11% do salário mínimo para ser beneficiado, com auxílio-doença e aposentadoria por idade, por exemplo. Além disso, pagará apenas R$ 1,00 de ICMS (se sua empresa for uma empresa comercial) e/ou R$ 5,00 se for uma empresa de prestação de serviços, e mais nada a título de impostos. Também estará isento de taxas de alvará da prefeitura. Em valores atuais, pagará R$ 57,15 mensais.









Quem não pode optar pela sistemática de recolhimento aplicada ao MEI?
I – A empresa que possua mais de um estabelecimento; II – que participe de outra empresa como titular, sócio ou administrador; III – que contrate empregado; ou IV – cuja atividade seja: a) construção de imóveis e obras de engenharia em geral, inclusive sob a forma de subempreitada, execução de projetos e serviços de paisagismo, bem como decoração de interiores; b) serviço de vigilância, limpeza ou conservação; c) cumulativamente administração e locação de imóveis de terceiros; d) academias de dança, de capoeira, de ioga e de artes marciais; e) academias de atividades físicas, desportivas, de natação e escolas de esportes; f) elaboração de programas de computadores, inclusive jogos eletrônicos, desde que desenvolvidos em estabelecimento do optante; g) licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação; h) planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas, desde que realizados em estabelecimento do optante; i) empresas montadoras de estandes para feiras; j) produção cultural e artística; l) produção cinematográfica e de artes cênicas; m) laboratórios de análises clínicas ou de patologia clínica; n) serviços de tomografia, diagnósticos médicos por imagem, registros gráficos e métodos óticos, bem como ressonância magnética; o) serviços de prótese em geral.


Quem tem dois empregados, pode registrar o seu negócio como MEI?
Não pode. Só é permitido o registro de quem tem um empregado, mesmo assim desde que seu salário não ultrapasse o piso da categoria. E para esse empregado o MEI pagará 3% a título de contribuição previdenciária. Caso o Microempreendedor Individual tenha uma empregado deverá pagar a ele férias, 13º salário, FGTS e todos os outros direitos trabalhistas previstos em lei.


Os contadores vão trabalhar de graça para o MEI?
Não é totalmente de graça. Está previsto na lei que as empresas contábeis que estejam sendo tributados pelo Simples Nacional terão a obrigação de tirar dúvidas, orientar sobre a nova forma de tributação, fazer o registro da empresa e providenciar a primeira declaração ao fisco. Entretanto, se esse MEI tiver um empregado já precisará de fazer folha de pagamento e outras declarações. Nesse caso, não está previsto que esse trabalho seja feito gratuitamente pelos contadores.





Quando a empresa crescer, com faturamento superior a 36 mil reais anuais, o Microempreendedor Individual perde seus direitos?
Sim. Perderá as vantagens do MEI, mas estará automaticamente enquadrado na tributação do Simples Nacional.


E a regulamentação da Lei Geral Federal no Estado de São Paulo?
Com a edição do Decreto nº 52.228, de 5 de outubro de 2007, o Estado de São Paulo regulamentou a Lei Geral federal com a finalidade de desburocratizar os processos e fomentar os negócios das pequenas empresas paulistas, em relação:

I - a unicidade do processo de registro e baixa;
II - o acesso às compras públicas;
III - a simplificação de obrigações fiscais acessórias a que sujeita o microempreendedor individual;
IV - o incremento das exportações;
V - o acesso ao crédito;
VI - o estímulo à inovação.





JOÃO CHAGAS
É consultor na gestão de micro e pequenas empresas e
Assessor Parlamentar do Vereador Floriano Pesaro
São Paulo/Capital

Postagens mais visitadas deste blog

O auxílio doença e o Empreendedor Individual/MEI

Planilhas gratuitas para auxiliar uma boa gestão financeira

Roteiro para elaboração de contrato de prestação de serviços.