O capital intelectual

Há muito pouco tempo que as organizações vêm percebendo a importância a influência do capital intelectual nos seus resultados. Os sistemas tradicionais de mensuração não foram concebidos para lidar com a complexidade desses ativos, cujo valor é potencial, indireto e dependente do contexto, devendo ser avaliados com cuidado. O capital intelectual aumenta a geração, ou mesmo a configuração, de informações classificadas como úteis e valorosas para a empresa, podendo ampliar o aprendizado individual e coletivo.

Pressões sobre os preços diminuem constantemente as margens para ineficiência. O ciclo de desenvolvimento de novos produtos é cada vez mais curto. As empresas buscam incessantemente qualidade, valor agregado, inovação, flexibilidade e agilidade, para se diferenciar pelo que sabem e pela forma como conseguem usar esse conhecimento. 80% do valor de mercado das 500 maiores empresas avaliadas em 2010 pela Standard & Poors advém de ativos intangíveis. Em 1975 eram 17%.

Keynes e Schumpeter sempre deram o tom do capitalismo. Segundo Schumpeter o capitalismo é "tentar algo novo", destruição criativa, empreendedorismo pelas pequenas empresas e inovação seria "a execução de novas combinações". Lucros empreendedorísticos são margens além do valor de commodities. Por isso deve ser incentivado o risco.

Hoje a paisagem está entulhada de capitais - qualquer fórum de discussão econômica até 85 só discutia ativos tangíveis. Depois de 85 o capital do mundo se modifica, com muito capital intelectual, de relacionamento, humano, de clientes, cultural, de processo, espiritual (alma do capital, ver Deepak Chopra) e organizacional. A prática da administração está tentando controlar esses ativos intangíveis.

Nós somos agentes do capital humano. O capital intelectual do negócio. Como nós somos produtivos para nossa empresa? Experiência, know how, habilidades, criatividade e memória corporativa. Quando saímos às 5 da tarde, tudo sai conosco e nada garante que vamos voltar no dia seguinte. O grande negócio é tornar esses conhecimentos materiais, escritos, registrados. Se o profissional sair, fica a maior parte na empresa.

Ativos intelectuais - documentos, listas, ideias, rascunhos, dados, invenções, processos, relacionamentos. Propriedade intelectual - patentes, segredos comerciais, copyrights, marcas.

Uma pergunta das mais difíceis. O que é estratégia? "Escolher executar atividades diferente de como fazem os rivais, com possibilidade de preservar essa diferença"(Porter).

Como? Por meio da propriedade intelectual:

  • Idéias funcionais e invenções - P&D (patentes)
  • Expressão de idéias e inovações - copyright
  • Marcas - o que motiva a compra. Identificador de fonte de origem.
  • Informações confidenciais - baseado num mito, num segredo.


Direito e Gestão Empresarial

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O auxílio doença e o Empreendedor Individual/MEI

Planilhas gratuitas para auxiliar uma boa gestão financeira

Roteiro para elaboração de contrato de prestação de serviços.