Power Hacks nº6, com Marcelo Minutti: Inovações Disruptivas


O último papo da nossa série Power Hacks é com o Marcelo Minutti, palestrante, mentor e pesquisador nas áreas de inovação, transformação digital, marketing e design de negócios. É Head de Inovação e Prática Digital da MSLGROUP Andreoli  e coordena o MBA em Marketing e Comunicação Digital do IESB em Brasília.

Marcelo, as inovações acontecem cada vez mais velozmente e são cada vez mais impactantes. Quais são os principais motores das grandes disrupções?

Sinais disruptivos estão ao nosso redor o tempo todo. Nesse contexto, as disrupções surgem quando conseguimos identificar, interpretar e explorar esses sinais por meio de soluções inovadoras. Dou o nome de “Forças Disruptivas” para esses movimentos de ruptura e nos últimos anos categorizei essas forças em quatro tipos básicos: Forças de Mercado (mudanças no comportamento das pessoas), Forças Empresariais (mudanças em como as empresas atuam e competem), Forças Regulatórias (mudanças na regulamentação de setores e mercados) e Forças Tecnológicas (mudanças nas tecnologias disponíveis). Assim, os motores das grandes disrupções sempre surgem de uma combinação única dessas quatro forças.

E o mercado? Quais tem sido os grandes drivers de consumo hoje e para onde eles tem caminhado?

No caso especificamente do mercado, a digitalização da vida cotidiana tem sido o grande driver para as mudanças nos modelos de consumo atualmente. Na minha opinião, a redução extrema de intermediários nas relações de consumo por meio de serviços online e o crescimento da influência das recomendações pessoais no processo de decisão de compra dos consumidores são tendências com grande impacto para os mercados nos próximos anos. Isso exigirá uma reinvenção das cadeias produtivas tradicionais e estruturas organizacionais mais ágeis.  

É possível construir uma cultura de inovação em pequenos negócios?

Os pequenos negócios são ambientes propícios para a cultura de inovação. Equipes enxutas, flexibilidade para mudanças de rumo ágeis e estruturas organizacionais mais horizontais contribuem para construção de uma cultura de inovação efetiva e sistêmica. Essas características são as grandes vantagens das pequenas empresas na construção e consolidação de uma cultura de inovação que traga vantagem competitiva de longo prazo. 
Disrupções advém de grandes insights ou de grandes jornadas?

A experiência demostra que inovações que trazem rupturas setoriais e/ou exploram mercados em oceanos azuis não são simples de serem alcançadas. Insights e ideias criativas são insumos importantes, mas constituem apenas uma pequena parte do sucesso de iniciativas de inovação. Elas também exigem profundo conhecimento do público-alvo, experimentação fanática, aprendizado constante e altíssima capacidade de execução. Sem isso, muitos  inícios promissores tendem a naufragar pelo caminho.

Agora faça a pergunta que não foi feita e deixe para a reflexão dos leitores do blog.

No decorrer de uma jornada de inovação, onde devemos focar a maior parte da energia da equipe? Inspiração, ideação ou implementação? 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O auxílio doença e o Empreendedor Individual/MEI

Planilhas gratuitas para auxiliar uma boa gestão financeira

Power Hacks nº4, com Ana Carla Fonseca: Economia criativa