Empresa data-driven: muito mais foco, competitividade e lucro!




Como muita coisa que está ganhando corpo e importância nessa era de mudanças disruptivas, o conceito de “data-driven” não é novo. O que é novo é a tecnologia que permite que ele seja explorado de formas até então inimagináveis. Um negócio data-driven nada mais é que um negócio que norteia suas decisões a partir de dados e não apenas em intuição e conceitos. Com toda a tecnologia existente hoje, na forma de software (aplicativos, software as service, algoritmos) e hardware (processadores, servidores, memórias, smartphones), o data-driven passa a evoluir exponencialmente, indo muito além da análise de dados tradicional. E na esteira da tecnologia, a cultura e a capacitação empresarial tem que evoluir também.

Ser data-driven pressupõe uma cultura de tomada de decisão a partir de fatos precisos e coletados de múltiplas fontes, seja para a definição de estratégias, seja para a avaliação de rotinas.

Nos últimos dois anos, foram produzidos 90% de todos os dados existentes hoje no mundo. E essa curva é exponencial. Em poucos anos chegarem nos brontobytes (falamos um pouco deles aqui). E toda essa quantidade de dados precisa ser minerada, refinada e transformada nessa inteligência que facilita e aprimora as tomadas de decisão empresariais.

Esses rios caudalosos de dados estão correndo por aí. No Google, nas redes sociais, nos e-mails, no whatsapp, dentre outros. Na forma de textos, fotos, vídeos, programas, cadastros, operações, cliques, likes, interações. Eles nos levam a hábitos, tendências, preferências, indicadores de produtividade, insights.

O primeiro passo da guinada data-driven é criar as condições e começar a reuni-los. Isso tem que ser pra já! Tenha um time apto (Lembram do meu outro artigo Primeiro inovadores, depois inovações?). Construa seus algoritmos e/ou contrate os serviços necessários. Prepare-se para entender o alcance do machine learning e da inteligência artificial nesse contexto, que vão processar isso e ajudar a construir insights e automatizações.

Alguns exemplos de utilização no dia a dia de empresas de pequeno porte são estratégias de marketing em redes sociais, definições de preços e promoções no dia a dia, alocação de times em tempo real a partir de fluxos de demanda, definição de rotas de delivery, suporte automatizado, funis de marketing, pós venda, reposição automática de estoques, dentre vários outros.

Em resumo, a cultura empresarial deve migrar dos dados em silos para o big data, acionado por uma inteligência coletiva, pervasiva à empresa, de forma ágil e, o máximo possível, automatizada.

Ah, e a política de obtenção e armazenamento de todo e qualquer dado deve ser transparente, segura e amistosa para os donos desses dados, que, ao cabo, são os cidadãos. Confiança é fundamental.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O auxílio doença e o Empreendedor Individual/MEI

Planilhas gratuitas para auxiliar uma boa gestão financeira

Power Hacks nº4, com Ana Carla Fonseca: Economia criativa